Viagens

Complexo das Cavernas Aroe Jari – MT

Mais um passeio saindo da Chapada dos Guimarães. Realizamos com a Agência Adrenalina MT. Dessa vez nossa guia foi a Aparecida, que conhecia muito bem o complexo, repassando informações importantes e pertinentes.

É um passeio de um dia inteiro. Não foi preciso estar com veículo 4×4. Seguimos até o complexo no nosso carrinho alugado, o Mobi.

Realizamos o passeio em Setembro de 2021 e custou R$ 215,00 por pessoa. Quanto maior o número de pessoas, menor o valor. Nesse valor estavam incluídos o guia de turismo, o seguro individual, a taxa de entrada no atrativo e o EPI (perneira). O roteiro foi: Caverna Pobe Jari, Kiogo Brado e Aroe Jari. Além das cavernas, Lagoa Azul, Ponte de Pedra e Cachoeira do relógio (que fica fora do complexo).

A caminhada por todo o complexo é de 12 km. O sol no cerrado dificulta muito o passeio. Decidimos pegar o transporte, cuja parada é no acesso das cavernas e seguir caminhando apenas 2,5 km. Decisão acertada essa! Com o transporte, você não irá perder nenhum atrativo, ao contrário, vai otimizar tempo e disposição para apreciar todo o circuito.

O transporte e o almoço você paga assim que chega ao receptivo. Custou R$ 70,00 por pessoa. Eles aceitam cartões, mas como se trata de zona rural, é recomendado levar dinheiro.

Aprendemos como as cavernas são formadas e com uma lanterna desbravamos a primeira delas, a Pobe Jari que significa “Morada das águas”. Antes de ser uma propriedade privada, os indígenas da tribo Bororo viviam ali, então o atual proprietário deu nome indígena para as três cavernas.

Todas elas são formadas de arenito, mas a mais bela de todas na minha opinião é a Kiogo Brado que significa “Ninho de pássaros”. Logo na entrada fomos recebidos com o canto de várias maritacas!

Aquelas formações… nunca tinha visto nada igual… bonito demais!

E continuamos nossa caminhada apreciando cada detalhe daquele complexo. Até chegar na Lagoa Azul.

No meio do caminho havia uma pedra! Era a Pedra do Equilíbrio… claro que eu fiz pose!

No cerrado há muitos frutos! conheci o Jatobá, marmelo, pequi e coroa de frade, esse da foto abaixo, que minha amiga fez questão de experimentar.

Até que chegamos na entrada da Aroe Jari que significa “Morada das almas” e era um antigo cemitério indígena. Essa é a maior caverna de arenito do Brasil! Imponente ela!

No teto da caverna encontramos o “ouro de tolo”

Pegamos o ônibus de volta, retornamos para o receptivo e almoçamos (serviço self service), não incluso a bebida. No local há redes para descansar após almoço.

Alguns minutos depois, seguimos para a Ponte de Pedra, que fica bem pertinho do receptivo.

Finalizamos o passeio com a Cachoeira do relógio. Uma pequena queda d’água, mas boa o bastante para se refrescar.

Vocês podem conferir mais detalhes no vídeo abaixo:

O que achou do post?

Comente pelo Facebook!

comentários

Mas pode chamar de Dani! Carioca, ama estar em contato com a natureza, realizar passeios e viajar. Adepta de fazer listinhas pra tudo! Não abre mão de uma agenda e uma boa aventura!

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *