Filme Everest

(Bom)

Há algumas semanas, o filme Everest estreou nas telonas e fui conferir.

O Monte Everest exerce um fascínio por todos aqueles que admiram montanhas ou são praticantes de esportes de aventura. A beleza do lugar e dificuldade atrai muitos visitantes ao local.

Além de muito preparo físico e coragem, quem deseja escalar o Monte, precisa desembolsar em torno de 60 mil dólares ou mais. Aproximadamente 10 mil, fica no Nepal. Tipo um pedágio. A temporada de escalada é entre os meses de abril e maio.

De porte desse valor, sua ida está garantida. Mas a volta não. Imprevisível. O risco de ficar na montanha gélida é altíssimo. O corpo não está preparado para enfrentar até 70º negativos e ventos com 162 km/h.

E se conseguir? palmas!!! mas… tempo apenas para cravar uma bandeira, tirar uma foto, afinal, você precisa registrar essa façanha. Nada mais. Desça imediatamente! Não é um pico comum, onde você senta, aprecia a vista, conversa, faz um lanchinho. Não é! Você conquista o cume e desceeee… Tudo cronometrado.

Geralmente a descida era entre 12h00, 14h00 e passando disso, seu retorno ficava seriamente comprometido.

Tenho a exata noção de não ter capacidade física, financeira e psicológica para subir o “teto do planeta Terra”. Como costumam chamar.

No filme, o personagem Doug Hasen, interpretado pelo ator (John Hawkes) chamou minha atenção. Um carteiro, que tentou subir pela terceira vez.

Mas o que leva uma pessoa ter vontade de subir o Everest?

É um preço muito “alto” à pagar….

Um dedo, um pé, uma vida…

A logística toda é complicada… isso inclui resgate.

Avalanches podem ocorrer a qualquer momento. Inclusive aconteceu no dia 18 de abril de 2014, na base do Everest, enquanto realizavam a gravação do filme.

Coincidência ou não, o longa relatou a expedição de 1996, que terminou tragicamente devido uma grande nevasca.

Eu não fazia ideia do universo que gira em torno da subida ao “maior da Terra” e o filme apresentou com clareza, objetividade e boa fotografia.

Acho que faltou uma carga forte de emoção, nas cenas mais dramáticas. Mas eu gostei!

Valeu a experiência de chegar ao cume, sem estar lá.

Até mais!

Daniele

Facebook | Instagram | YouTube | Twitter | Comente!

 

O que achou do post?

Comente pelo Facebook!

comentários

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado Campos obrigatórios são marcados *

Você pode usar estas tags e atributos de HTML: <a href="" title=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <strike> <strong>